PESQUISA ESTE SITE

Total de visualizações de página

PESSOAS ONLINE



30 maio 2022

Prefeita do interior do RN é acusada de fingir fazer oferta durante missa


Um vídeo publicado nas redes sociais neste fim de semana causou polêmica em Paraú, município da região Oeste Potiguar, distante 245 quilômetros de Natal.

Nas imagens, a prefeita da cidade, Maria Olímpia (PP), aparece fazendo uma suposta oferta na missa do Divino Espírito Santo, padroeiro da cidade. O vídeo foi gravado na noite da última sexta-feira (27).

A polêmica começou porque, segundo internautas, o vídeo sugere que a prefeita simulou a oferta em dinheiro. Nas imagens, não fica claro se a prefeita realmente fez depósito de alguma quantia durante o ofertório.

Diante da polêmica, a prefeita se manifestou na noite deste domingo (29). Em nota, Maria Olímpia se disse indignada com a publicação do vídeo e negou que tenha simulado a oferta. Ela afirma que as imagens mostram que ela fez o depósito “de forma discreta e humilde”.

A Paróquia do Divino Espírito Santo também se pronunciou. Em nota, a igreja destacou que a polêmica é uma “fake news” e frisa que “além da contribuição financeira, ela (oferta) também pode ser feita de forma espiritual”. Clique para assistir o vídeo
98 fm




Professora de Afonso Bezerra/RN, lança livro para professores que lecionam para crianças Autista.





Professora do município de Afonso Bezerra, localizado na região central do Rio Grande do Norte, escreveu o livro "Educação Inclusiva na Escola - Autismo" . O livro vai ajudar a profissionais da educação a saberem lecionar para alunos que sofre com (Autismo) um transtorno que acomete crianças ainda nos primeiros dias de vida.

A Professora Mylene Oliveira Vieira Ferreira além de Autora do livro "Educação Inclusiva na Escola  - Autismo" ela é Mestre em Educação é Graduada em Geografia e inglês pela UERN, tem especialização em Educação Ambiental é Geografia Semiárido, formação em Psicopedagogia Institucional e Clínica. Mylene estar cursando Neuropsicopedagogia Institucional e Clínica ABA E DI. atualmente também ocupa o cargo de Diretora e coordenadora da Faculdade Sucesso (Facsu/Polo em Afonso Bezerra)

O livro foi preparado especialmente para professores que ensinam diariamente crianças que sofre com o "Autismo" O livro tem os ensinamentos totalmente adequados para quem é um profissional da educação e querem adquirir mais conhecimentos sobre o assunto é usá-las de forma correta. Garanta seu livro já aqui no link  https://loja.editoradialetica.com/loja/produto.php?loja=791959&IdProd=1244243463&iniSession=1&62334899aa634

E-book ;  https://play.google.com/store/books/details/Mylene_Oliveira_Vieira_Ferreira_Educa%C3%A7%C3%A3o_Inclusiva?id=HTFlEAAAQBAJhttps://play.google.com/store/books/details/Mylene_Oliveira_Vieira_Ferreira_Educa%C3%A7%C3%A3o_Inclusiva?id=HTFlEAAAQBAJ


Vejam o que é o Autismo;

O transtorno do espectro autista (TEA) é um distúrbio do neurodesenvolvimento caracterizado por desenvolvimento atípicomanifestações comportamentaisdéficits na comunicação e na interação social, padrões de comportamentos repetitivos e estereotipados, podendo apresentar um repertório restrito de interesses e atividades.

Sinais de alerta no neurodesenvolvimento da criança podem ser percebidos nos primeiros meses de vida, sendo o diagnóstico estabelecido por volta dos 2 a 3 anos de idade. A prevalência é maior no sexo masculino.

A identificação de atrasos no desenvolvimento, o diagnóstico oportuno de TEA e encaminhamento para intervenções comportamentais e apoio educacional na idade mais precoce possível, pode levar a melhores resultados a longo prazo, considerando a neuroplasticidade cerebral.

Ressalta-se que o tratamento oportuno com estimulação precoce deve ser preconizado em qualquer caso de suspeita de TEA ou desenvolvimento atípico da criança, independentemente de confirmação diagnóstica.

etiologia do transtorno do espectro autista ainda permanece desconhecida. Evidências científicas apontam que não há uma causa única, mas sim a interação de fatores genéticos e ambientais. A interação entre esses fatores parecem estar relacionadas ao TEA, porém é importante ressaltar que “risco aumentado” não é o mesmo que causa fatores de risco ambientais. Os fatores ambientais podem aumentar ou diminuir o risco de TEA em pessoas geneticamente predispostas. Embora nenhum destes fatores pareça ter forte correlação com aumento e/ou diminuição dos riscos, a exposição a agentes químicos, deficiência de vitamina D e ácido fólico, uso de substâncias (como ácido valpróico) durante a gestação, prematuridade (com idade gestacional abaixo de 35 semanas), baixo peso ao nascer (< 2.500 g), gestações múltiplas, infecção materna durante a gravidez e idade parental avançada são considerados fatores contribuintes para o desenvolvimento do TEA.

Atenção: vacinas não são fatores de risco para o desenvolvimento do TEA.

Fatores de risco para um componente genético: evidências indicam influência de alterações genéticas com forte herdabilidade, mas trata-se de um distúrbio geneticamente heterogêneo que produz heterogeneidade fenotípica (características físicas e comportamentais diferentes, tanto em manifestação como em gravidade). Apesar de alguns genes e algumas alterações estarem sendo estudadas, vale ressaltar que não há nenhum biomarcador específico para TEA.

diagnóstico de TEA é essencialmente clínico, feito a partir das observações da criança, entrevistas com os pais e aplicação de instrumentos específicos. Instrumentos de vigilância do desenvolvimento infantil são sensíveis para detecção de alterações sugestivas de TEA, devendo ser devidamente aplicados durante as consultas de puericultura na Atenção Primária à Saúde. O relato/queixa da família acerca de alterações no desenvolvimento ou comportamento da criança tem correlação positiva com confirmação diagnóstica posterior, por isso, valorizar o relato/queixa da família é fundamental durante o atendimento da criança.

Manifestações agudas podem ocorrer e, frequentemente, o que conseguimos observar são sintomas de agitação e/ou agressividade, podendo haver auto ou heteroagressividade. Estas manifestações ocorrem por diversos motivos, como dificuldade em comunicar algo que gostaria, alguma dor, algum incômodo sensorial, entre outros. Nestes momentos é fundamental tentar compreender o motivo dos comportamentos que estamos observando, para então propor estratégias que possam ser efetivas. Dentre os procedimentos possíveis temos: estratégias comportamentais de modificação do comportamento, uso de comunicação suplementar e/ou alternativa como apoio para compreensão/ expressão, estratégias sensoriais, e também procedimentos mais invasivos, como contenção física e mecânica, medicações e, em algumas situações, intervenções em unidades de urgência / emergência.


Notícias em foco RN



Nesta segunda feira tem atendimento na Oral Med